Na década de 50, sob a direção de José Ermírio de Moraes, a Votorantim adentrou no setor de energia, com a exploração do complexo hídrico do rio Juquiá. Com a fundação e o crescimento da Companhia Brasileira de Alumínio (CBA), a necessidade em se obter energia fez com que o Grupo passasse a construir e manter usinas hidrelétricas próprias, uma atitude de vanguarda na história da indústria brasileira.

Em 1957, já era levantada a segunda usina, a da Fumaça. Desde então o Grupo Votorantim não parou mais de investir no setor: foram iniciadas as construções de mais duas usinas, Alecrim e Serraria, que foram inauguradas em 1974 e 1978, respectivamente.

Durante os anos 80, mais duas foram concluídas, também associadas à produção de alumínio: Porto Raso e Barra. O investimento em energia se tornaria paulatinamente um diferencial da Votorantim. Das sete usinas na região, quatro estão dentro da área do Legado das Águas.

Datas de inauguração das usinas do Juquiá

  • França (inaugurada em 1957)
  • Fumaça (inaugurada em 1964)
  • Alecrim (inaugurada em 1974)
  • Serraria (inaugurada em 1978)
  • Porto Raso (inaugurada em 1982)
  • Barra (inaugurada em 1986)

[Fontes bibliográficas: Livro 50 Anos CBA; Relatórios Anuais do Grupo Votorantim, década de 70; publicação A História das Barragens no Brasil; release oficial Legado das Águas]

Curiosidades...

UHE França

A usina hidrelétrica França está localizada na região de Juquitiba, distante 90 km da cidade de São Paulo. Sua construção foi iniciada em 1954 e a conclusão efetivada em 1957, entrando em operação no ano seguinte. Foi a primeira hidrelétrica construída pela CBA com aproveitamento das águas do rio Juquiá para geração de energia.

O salto médio é de 90 metros e o lago produzido pelo represamento possui 12,7 km², possibilitando uma produção média de 155 GWh/ano. A linha de transmissão até a fábrica da CBA, no município de Alumínio, SP, tem 42 km de extensão.

UHE Fumaça

A usina hidrelétrica Fumaça está localizada no município de Ibiúna, distante 110 km da cidade de São Paulo. Sua construção foi iniciada em 1957 e a conclusão efetivada em 1964. É a segunda hidrelétrica construída pela CBA e utiliza as águas do rio Juquiá para geração de energia.

Sua capacidade média anual de geração é de 220 GWh e sua barragem possui 154 m de extensão e 53,5 metros de altura, desde o ponto mais baixo da fundação. Apresenta uma queda bruta de 126 m.