In SALA DE IMPRENSA

O Legado das Águas – maior reserva privada de Mata Atlântica do país – comemora seis anos no dia 5 de junho. A celebração é coletiva pois, desde sua criação em 2012, a Reserva atua dentro de um modelo inovador de gestão que combina proteção ambiental com o uso sustentável de recursos naturais e contribui para o desenvolvimento territorial e local a partir de projetos e ações inclusivas. Nesses seis anos de existência, o Legado apresentou atividades que traduzem isso, como o ecoturismo, a produção e comercialização de mudas e plantas nativas da Mata Atlântica no viveiro e compensação de reserva legal.

Essas atividades, que tem como objetivo manter a Reserva sustentável do ponto de vista econômico-financeiro, é ao mesmo tempo uma oportunidade de desenvolvimento territorial. O ecoturismo, por exemplo, iniciou em junho de 2017 e já têm atraído turistas de todo o Brasil, reforçando a imagem do Vale do Ribeira como destino turístico. Trilhas, canoagem, bike e observação de aves conectam o turista com o bioma atlântico em matas com alto grau de conservação.

Dinheiro dá em árvore

Além de uma vivência na Mata Atlântica, os visitantes conhecem de perto os projetos que tem confirmado a famosa frase “dinheiro dá em árvore”. Em uma visita à Reserva, uma das paradas é no viveiro de mudas, que trabalha em duas frentes de produção. Uma é a produção de plantas para fins ornamentais e enriquecimento genético. A outra é o desenvolvimento de mudas de espécies arbóreas para fins de restauração florestal de áreas degradadas. Este último é um modelo de negócio que tem como foco atender à demanda de empresas ou produtores rurais que, por diversos motivos, têm a necessidade de recuperar áreas e atender ao Código Florestal. O viveiro pode ser considerado o primeiro passo da construção de um novo modelo de negócio que poderá ser colocado em prática em outras regiões da Mata Atlântica.

Compensação de Reserva Legal

Essa grande área, com 31 mil hectares de floresta em alto grau de conservação, também representa a tranquilidade para quem tem propriedades rurais e precisa compensar déficit de Reserva Legal. O Legado das Águas disponibiliza áreas para compensação por meio do arrendamento de Reserva Legal, com garantia de gestão patrimonial e manutenção da floresta. Com pagamento anual, essa é uma opção diferenciada em relação às tradicionais de compensação via aquisição de áreas. O proprietário rural não terá que investir na compra de áreas, e tampouco na manutenção destas (caseiro, vigias, cercas, etc.), evitando também o pagamento de Imposto Territorial Rural (ITR), e os custos para manutenção das obrigações legais, entre outros. Além disso, se o proprietário rural for pessoa jurídica, pode utilizar o valor pago como despesa e abater do imposto de renda.

Um legado para todos

Além de trabalhar para que o Legado das Águas se torne um centro de referência nos estudos e pesquisas relacionados à Mata Atlântica, a Reserva também está empenhada em fazer com que a região, especialmente os municípios de Juquiá, Miracatu e Tapiraí, prospere e se desenvolva. Para isso, desde 2014, realizou inúmeros investimentos com foco em atuação social. Em 2017, os projetos sociais representaram 7,7% de todo o investimento realizado no Legado das Águas. Isso com apoio de grandes parceiros, como Instituto Votorantim, Banco Nacional do Desenvolvimento Social (BNDES), e outras empresas.

O Legado das Águas, com sua estratégia de atuação social, por exemplo, investiu no Vale do Ribeira por meio do Programa de Apoio à Gestão Pública (AGP), com objetivo de apoiar a gestão no âmbito municipal, fortalecendo o seu papel como agente do desenvolvimento local, como a elaboração do Plano de Turismo Integrado Regional (PTIR); da valorização, resgate histórico e conhecimento do Ribeirão da Anta como população tradicional; na melhoria da educação, com o Parceria Votorantim pela Educação (PVE); em Educação Ambiental, com ações em diversas cidades do Vale do Ribeira; em iniciativas de incentivo ao empreendedorismo e na estruturação de negócios inclusivos por meio da articulação de cadeias produtivas e investimento em projetos, entre outras iniciativas.

“Já faz seis anos que definimos e aprovamos o plano de negócios do Legado das Águas. Na época, sabíamos que era um projeto ousado. Também tínhamos a consciência de que era algo inédito, inovador, principalmente porque, na iniciativa privada, ninguém havia feito nada semelhante. Ou seja, utilizar uma imensa área de mata conservada como oportunidade de negócio para promover o desenvolvimento socioeconômico territorial e gerar valor compartilhado. Com os resultados, sabemos que estamos no caminho certo, mas também empenhados e fazer acontecer, e claro, sempre puxando junto o desenvolvimento das comunidades do nosso entorno”, David Canassa, diretor da Reservas Votorantim Ltda.

Sobre o Legado das Águas – Reserva Votorantim

O Legado das Águas, maior reserva privada de Mata Atlântica do país, com extensão aproximada à cidade de Curitiba (PR), é um dos ativos ambientais da Votorantim. Localizada na região do Vale do Ribeira, no sul do Estado de São Paulo, a área com sua floresta e rica biodiversidade local vem sendo conservada pela empresa há mais de 50 anos, com o objetivo de contribuir para a manutenção da bacia hídrica do Rio Juquiá, onde a companhia possui sete usinas hidrelétricas.

Desde 2012, o Legado das Águas foi transformado em um polo de pesquisas científicas, estudos acadêmicas e desenvolvimento de projetos de valorização da biodiversidade, em parceria com o Governo do Estado de São Paulo.

O Legado das Águas é administrado pela empresa Reservas Votorantim, criada para estabelecer um novo modelo de área protegida privada, cujas atividades geram benefícios sociais, ambientais e econômicos de maneira sustentável.

Digite algum termo e pressione enter para pesquisar

X