In ARTIGOS

 

Entre as riquezas da biodiversidade brasileira, estão os aromas, texturas e sabores de seus ingredientes naturais, que valorizam a nossa gastronomia.

Desenvolvida a partir da herança cultural de diversos povos, a cozinha brasileira tem características peculiares que encantam os amantes da boa comida. E é a variedade de espécies encontradas nos biomas das diferentes regiões do país que possibilita colocar tanta fartura na mesa.

Você deve saber que bioma é diferente de região, que geralmente é definida de forma arbitrária, por fatores geográficos, políticos e históricos. A delimitação de um bioma considera a natureza presente na área: o clima, as espécies da flora e da fauna e a continuidade de um mesmo tipo de vegetação.

No Brasil, o grupo dos cinco biomas principais é formado por Amazônia, Mata Atlântica, Cerrado, Caatinga, Pantanal e Pampas. Cada um deles oferece ingredientes riquíssimos de nossa biodiversidade para as cozinhas locais.

Neste texto, vamos falar de dois deles, a Mata Atlântica e a Amazônia, e a contribuição que eles dão para a gastronomia nacional.

Mata Atlântica: saberes tradicionais

Cambuci, Juçara, Uvaia, Araçá e Grumixama são nomes de espécies de árvores frutíferas originais da Mata Atlântica, e com grande potencial para a gastronomia.

Essas espécies nativas foram cultivadas por várias gerações em antigos pomares, vales, sítios, fundos de quintais e encostas da Serra do Mar.

Depois de perderem espaço para a urbanização, essas espécies passaram a ser cultivadas por pequenos agricultores da região do Cinturão Verde de São Paulo.

A prática vem trazendo benefícios, como a geração de renda dessas famílias locais, em oposição ao modelo agrícola de monocultura extensiva.

Baseada em princípios como o de comércio justo, a ONG Instituto Atá atua aproximando esses produtores locais do mercado final.

A iniciativa também colabora com a conservação do meio ambiente. A Mata Atlântica mantém hoje apenas 7% da cobertura de sua floresta original.

Amazônia: exotismo e herança indígena

Além de abrigar a maior biodiversidade do planeta, a Amazônia tem o mérito de preservar, em sua gastronomia, a herança cultural e os conhecimentos dos primeiros habitantes brasileiros. Seus ingredientes costumam atrair pelo exotismo, como as frutas.

Há também iguarias que passam por processos de preparo artesanais e muito complexos, como a maniçoba, prato de origem indígena que é servido após sete dias de fervura. Os peixes, de água doce, possuem sabor delicado e marcante.

Entre seus chefs, destaque para o jovem Thiago Castanho, apontado pelo jornal New York Times como um dos chefs mais criativos do mundo.

Gostou de saber mais sobre os sabores proporcionados pela biodiversidade destes dois biomas brasileiros? Conhece outros exemplos de ingredientes e pratos ligados à riqueza da biodiversidade brasileira? Compartilhe sua dica ou impressão deixando um comentário nessa psotagem.

 

Digite algum termo e pressione enter para pesquisar

X